1 de jan de 2010

GENTILEZA GERA GENTILEZA

Ao iniciar o Ano Novo sempre temos a intenção de sermos pessoas melhores, felizes, realizadas etc e tal. Segue abaixo o trecho de um texto da Eliane Brum que resumi as aspirações para um mundo melhor. Leia por completo neste link: http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EMI96818-15230,00-GENTILEZA+GERA+GENTILEZA.html   

..."Hoje, tratar mal as pessoas, marchar pelos corredores, fechar a cara, não dar bom dia e dizer coisas duras sem nenhum cuidado parece ser um atributo dos poderosos. Quase uma virtude. Ao conhecer alguns CEOs por aí, fico imaginando se no currículo deles está escrito: “Há 20 anos grita com quem está abaixo dele na hierarquia”. Ou: “Tem PhD por Harvard em humilhação dos subordinados”. Ou ainda: “Massacra os funcionários em inglês fluente, mas se for necessário pode xingar também em francês e mandarim”.

O conjunto de características que costuma cercar o poder é imediatamente incorporado pelos subordinados. Nessa lógica, há sempre alguém mais ferrado que podemos maltratar, a quem não precisamos beneficiar não com a nossa gentileza, porque gentileza não tem nada a ver com isso, mas a quem não precisamos beneficiar com a nossa bajulação. Canso de ver motoboys ser maltratados por recepcionistas de empresas chiques, enquanto me tratam bem porque numa rápida avaliação da minha roupa acreditam que talvez, quem sabe, posso ser alguém importante. Canso também de ser gentil e, por isso, ser tratada com rispidez, porque confundem minha gentileza com fraqueza. Recuso-me a embarcar nessa lógica que me obrigaria a falar alto e exalar arrogância para ser tratada com deferência. Prefiro falar com delicadeza e exalar apenas o meu perfume.

Acho que ser gentil não é nada prosaico, é um ato de resistência diante de uma vida determinada por valores calculáveis: só faço tal coisa se ganhar algo em troca, seja dinheiro ou um dos muitos pequenos poderes ou um ponto a mais com quem manda. A gentileza vira essa lógica do avesso: sou gentil sem esperar nada em troca. Sou gentil porque sou. Não porque tenho ou porque quero. Apenas sou. E, como sabemos, o ter – o consumir desenfreado – é aquele que vai tentar preencher o buraco aberto pela impossibilidade do ser." ... 

Fonte: Revista Época 

Share/Bookmark

3 comentários:

Desenhos da Fernanda disse...

Oi Maria Inês!!
Uau, adorei suas dicas!!
Se organizar é tão difícil, com tanta coisa acontecendo... Mas seu blog é um grande incentivo!
bjs!

Arqteturas Ltda disse...

Oi Inês
To precisando loucamente colocar a virginiana em mim para trabalhar organização do meu armário!!!! rsss
Bjosss

Adriana disse...

Olá INês,
Concordo com o texto, porque acredito que gentileza e respeito cabem em todo lugar e pessoa.
Se arrogância, desrespeito, prepotência e afins fossem coisas boas e produtivas, certamente faríamos especializações, MBAs, mestrados, doutorados e pós-doutorados sobre o tema, para melhorar a nossa vida.
Valeu!
BJks.
Adriana.